Formação de Arquitetos

 

O ensino é um grande estímulo para forçar a clareza das ideias visando transmiti-las. Este, permite trabalhar em problemas gerais de arquitetura e cidade.

A função da educação em arquitetura é levar-nos de uma opinião irresponsável para um julgamento responsável e, sabendo que um edifício é algo concreto e não figurativo, o método de trabalho, a maneira de fazer deve ser a essência da educação arquitetônica. Devemos buscar que tudo, raciocínios e trabalhos, seja guiado pela razão visando caminhar na direção certa.

Uma escola de arquitetura deve se preocupar com o desenvolvimento de um sistema e um treinamento educativo voltado para a razão. Se não houver nada contra a razão, o estudante poderá encarar cada problema de forma racional.

O treinamento curricular deverá se relacionar com propósitos práticos, lidando com conhecimento e ferramentas para fazê-lo, deixando claro para todos, o que é possível construir, o que é necessário para o uso e o que é significativo enquanto arte.

Os estudantes devem poder seguir um curso de estudos no qual cada exercício faça parte de uma evolução consistente e natural e em que não serão chamados depois a descartar ou refutar o que aprenderam nos anos anteriores, tornando-se conhecedores da continuidade e da evolução lógica de seus estudos.

Muitas escolas de arquitetura hoje em dia sofrem de uma falta de direção, e não falta de entusiasmo ou talento. Hoje, é necessário mostrar que a individualidade é inevitável e que tem também seu lugar natural. Entretanto, tentar expressar a individualidade em arquitetura é não compreender o problema. Em vista que, atualmente em muitas faculdades, intencionalmente ou não, deixam-se os estudantes com a ideia de que fazer um bom edifício é fazer um edifício “diferente”, mas estes não são diferentes, são apenas ruins.

Lidando com diferentes variáveis de um problema de desenho (design), devemos entender a materialização e que, quando esta se torna a expressão da nossa época, então ela se torna arquitetura.
Muitas vezes tem-se equivocado na formação de um problema, uma excelente ideia que, no entanto, possivelmente terá que ser abandonada após submetê-la ao método de trabalho e ao pensamento crítico.

Nas escolas de arquitetura devemos ensinar o roteiro de enfoque de um problema projetual e desenvolver no estudante um método claro de trabalho que fará valer a pena os cinco anos de estudo.
Duas coisas, dois objetivos deverão ser conquistados: O manejo das ferramentas de sua profissão e o desenvolvimento de uma direção clara. Para que isto seja possível, a escola mesma deverá também ter uma direção clara.

CURRICULUM DE IDEIAS

1º Ano – Introduzir no estudante preocupações relacionadas com ferramentas e técnicas de representação. Aprender a disciplina do desenho com claridade e precisão mediante exercícios, dando instruções visuais e mostrando exemplos de elaborada destreza.

2º Ano- Introduzir o estudante na formulação de projeto em tijolo, madeira e ferro, entendendo as propriedades intrínsecas a estes e resolvendo problemas de forma, proporção, ritmo, textura, cor, massa e espaço. Serão estudos abstratos não envolvidos com a construção em si. Será um treinamento visual lidando com as exigências dos materiais.

3º Ano- O estudante estenderá seus conhecimentos incluindo concreto e aço, continuando com seu treinamento visual e resolvendo problemas simples relacionados a casas de diferentes tamanhos e, depois com análises de edifícios mais complexos. Deverá se capacitar a análise de um programa com base na função.

4º Ano- Deverão ser introduzidos conhecimentos básicos de planejamento urbano e estudos teóricos baseados em densidades, uso do solo e zoneamento lidando com a aplicação de conceitos a um caso concreto da cidade. Introduzindo a questão social urbana.

5º Ano- O estudante deverá aprender a lidar com problemas avançados de expressão de estrutura e materiais, grupos de edifícios e seu inter-relacionamento com outras disciplinas. Pode compreender estudos regionais, métodos de estudo,pesquisa e projetos de reformulação ou reestruturação urbana de uma região.

No 6 º ano deverá ser oferecida ao estudante uma opção em arquitetura ou em planejamento urbano para desenvolver seu projeto de graduação.

Jorge Mario Jáuregui